Faculdade Anglo Americano | Caxias do Sul

Arquivo para agosto, 2011

Logística e Comércio Internacional

Professor(a): Dina Beatriz Gazola
Carga Horária: 12 horas/aula.

Datas: 02 e 03/09.

Horários: Sexta – Noite (19h às 22h30); e Sábado – Manhã (08h30 às 12h) e Tarde (13h às 17h30).

#PromoAnglo: Fazendo sua inscrição vc ganha outra para presentear um amigo!!! Não perca


Marketing Cultural

Professor(a): Ester Chaves Rodrigues.

Carga Horária: 12 horas/aula.

Datas: 03, 17 e 24/09.

Horários: Manhã (08h às 12h).

#PromoAnglo: Fazendo sua inscrição vc ganha outra para presentear um amigo!!! Não perca


Diretoria Kzuka no Colégio São Carlos – #EuSouMaisAnglo

Diretoria Kzuka promove debate no Colégio São Carlos de Caxias sobre violência
Cerca de 250 estudantes de ensino médio discutiram sobre álcool e direção, além de bullying

O colégio São Carlos de Caxias do Sul foi palco para um debate sobre Violência e Mundo Jovem na manhã desta terça-feira. Os convidados do Diretoria Kzuka buscaram conscientizar os estudantes sobre os perigos do álcool, principalmente no trânsito, e as consequência do bullying.

Com mediação do vocalista da banda Puracazuah!, Delão, temas pesados entraram na roda com naturalidade e provocaram reflexões.

— Geral está morrendo por acidentes de trânsito no Brasil. São 35 mil mortes por ano —introduziu o músico.

Participaram do debate o professor da Faculdade Anglo-Americano de Caxias, Saulo Velasco, duas representantes da comissão organizadora das jornadas contra o bullying da Secretaria Municipal de Educação (SMED), Daiane Scopel Boff e Raquel Girardi, o relações-públicas da casa noturna Pepsi Club, Alexandro Tedesco Rigon e o comandante interino do 12º Batalhão da Polícia Militar (12ºBPM) de Caxias, major Jorge Emerson Ribas.

Com sorteio de brindes, quiz e até um pocket show da banda de pagode pop Puracazuah!, o Diretoria Kazuka foi marcado pela interação dos jovens.

— Acho interessante abordar o tema do bullying também nas escolas particulares, onde o assunto ainda não é tão presente — comentou no palco a estudante do 3º ano, Mayara Mestre Santos, 17 anos.

FONTE: JORNAL PIONEIRO
http://www.clicrbs.com.br/pioneiro/rs/plantao/10,3467914,Diretoria-Kzuka-promove-debate-no-Colegio-Sao-Carlos-de-Caxias-sobre-violencia.html


#EuSouMaisAnglo – Diretoria Kzuka Caxias

Se liga ai galera nesse evento super legal que vai rolar nos dias 30 e 31 de agosto. É o Diretoria do Kzuka que vai estar nos colégios São Carlos e São João Batista. Vamos debater um papo muito importante nos dias de hoje que é a VIOLÊNCIA E O MUNDO JOVEM. Segue o cronograma e os participantes, curte ai!!

PALESTRANTES:
* Comandante Jorge Emerson Ribas Siqueira de Lima – Major QOEM – 12º BPM
* Saulo Velasco – Professor da Faculdade Anglo Americano
* Comissão de jornada contra Bullying
* ALEXANDRO TEDESCO RIGON – promotor da casa noturna Pepsi Club

Pocket Show: Puracazuah!
_____________________________________________________________________

PALESTRANTES:
* Elisângela Fernandes Paim – representando o 12º BPM
* Saulo Velasco – Professor da Faculdade Anglo Americano
* Comissão de jornada contra Bullying
* ALEXANDRO TEDESCO RIGON – promotor da casa noturna Pepsi Club

Pocket Show: Puracazuah!
Patrocinadores: Pink Lou, CI e Anglo Americano


#AngloSaude – Infecção Hospitalar: Controlar é um desafio


As infecções hospitalares, atualmente chamadas de Infecções relacionadas à assistência à saúde (IRAS) constituem um grave problema de saúde pública, tanto pela sua abrangência como pelos elevados custos sociais e econômicos. A prevenção e o controle de infecções são temas de segurança relacionados aos pacientes hospitalares que exercem mais pressão sobre as instituições de assistência à saúde. As infecções relacionadas à assistência a saúde podem exigir um preço excessivo em recursos, como em vidas humanas.
O Controle das Infecções Hospitalares teve seu marco referencial com a Portaria MS nº 196, de 24 de junho de 1993, que instituiu a implantação de Comissões de Controle de Infecções Hospitalares (CCIH) em todos os hospitais do país. A partir daí surgiu a necessidade de implantação de um programa de controle de infecção hospitalar, preferencialmente por meio da criação do Serviço de Controle de Infecção Hospitalar (SCIH) dentro das instituições de saúde. Este serviço vai normatizar a assistência visando a prevenção de infecções e a disseminação de bactérias multirresistentes e deve ter autonomia no hospital para iniciar as medidas de controle. O Serviço de Controle de Infecção Hospitalar, normalmente, é composto de enfermeiro e médico, em algumas instituições, também faz parte do serviço o técnico de enfermagem e uma secretária, dependendo da complexidade e número de leitos da instituição.
O estudo, a prevenção e o controle de infecções representam uma das iniciativas mais importantes na segurança dos pacientes em instituições de assistência à saúde. As infecções podem ser adquiridas em todas as entidades de assistência à saúde, podem ser transferidas entre instituições ou introduzidas pela comunidade nas dependências hospitalares. As condições clínicas dos pacientes alertam quanto ao risco de desenvolver infecções. Imunodepressão, alcoolismo, tabagismo, diabetes, obesidade, falência hepática ou renal prévia, desnutrição, presença de neoplasia, trauma, queimaduras e situações de risco de infecção, como permanência em UTI, ventilação mecânica, uso de cateter central, uso de sonda vesical de demora, são condições predisponentes para adquirir infecções.
Se todos conhecêssemos as medidas de prevenção e controle de infecções, tão bem quanto as fontes de agentes infecciosos e seus mecanismos de transmissão, o controle das IRAS seria muito mais fácil e eficaz.
É sabido por todos que os veículos mais frequentes de transmissão de infecção são as mãos do profissional da saúde, por isso uma das medidas de prevenção básica, a mais importante e eficaz para evitar a infecção cruzada é a higienização das mãos. Esta pode ser feita com água e sabão líquido ou com o uso de álcool gel quando as mãos não apresentam sujidade visível. A higienização das mãos é uma medida simples, de baixo custo e deve ser de fácil acesso ao usuário para garantir a qualidade da assistência.

Para que as medidas de prevenção e controle sejam implementadas e seguidas é necessário promover a educação de todos os profissionais que trabalham direta ou indiretamente com os pacientes. Faz-se necessário um programa de educação continuada contemplando as necessidades observadas no decorrer do trabalho. A educação continuada é essencial para que as equipes de assistência se mantenham atualizadas, proporcionando segurança, crescimento profissional com expansão de suas habilidades e competências.

Ana Claudia Müller
Enfermeira SCIH -Hospital Saúde
Contato: (54) 3026-2659


NAPP – NÚCLEO DE APOIO PSICOPEDAGÓGICO


O QUE É O NÚCLEO DE APOIO PSICOPEDAGÓGICO ?

É o setor da Instituição que tem como proposta garantir com qualidade o conhecimento e os processos de aprendizagem determinando uma ampla compreensão sobre as variadas formas do aprender, estabelecendo parceria com professores e alunos num trabalho cooperativo.
COMO FUNCIONA?
O Núcleo de Apoio Psicopedagógico atende ao aluno e assessoramento e acompanhamento do trabalho do professor.

QUAL O HORÁRIO DE ATENDIMENTO?
Nas quintas-feiras a partir das 18h. Caso não puderes neste dia, venha agendar outro dia e horário. A sala fica ao lado das Coordenações.
Participe do NAPP, CAMINHO PARA SUA REALIZAÇÃO PROFISSIONAL E PESSOAL!
Um abraço
Prof. Esp. Rejane Eccel Petereit

____________________________________________________________________________________________________________

CURSO DE EXTENSÃO
Brinquedoteca: Perspectiva pedagógica e psicológica no jogo e no desenho infantil

Objetivos
Promover um espaço educativo enquanto análise e intervenção no jogo e na representação gráfica no processo de aprendizagem da criança.
Conteúdo Programático
A representação e análise do desenho infantil e do jogo.
Certificado
Será emitido certificado de conclusão para os participantes que tiverem cursado 75% das aulas ministradas.
Carga Horária: 12 horas/aula.

Datas: 03, 17 e 24/09.

Horários: Sábados – Manhã (08h às 12h).


#VoltaÁsAulas @anglocaxias e @pepsiclub, pode ser?


Volta as aulas é reencontro, é dia de rever aquela galera bacana que passamos em parceria por semanas, meses… anos! E nada melhor do que rever toooda turma em uma balada e claro PEPSI CLUB?!? Pode ser??

CLAROOO!! Pode ser muito bom, mas pode ser MELHOR!!??? SIIMM! Pode!! Faturando 5 FREE PASS para vc levar a sua galera da Anglo para a FESTA DE VOLTA AS AULAS!

CRIE UMA FRASE COM AS SEGUINTES PALAVRAS:

@ANGLOCAXIAS @PEPSICLUB #VoltaAsAulas

Twitte sua frase no máximo de caracteres do twitter.

A melhor frase leva 5 FREE PASS pra vc convidar quem quizer pra essa Super Festa de sábado!!!

Te puxa que só um vai levar os 5 FREE PASS.


Volta às Aulas #EuSouMaisAnglo

Nesta segunda-feira rolou o Volta às Aulas Anglo mais movimentado dos últimos tempos. A Faculdade Anglo Americano recepcionou seus alunos e professores com a apresentação dos mesmos com a trilha do jingle Anglo. O garoto propaganda Anglo DJ LeoZ convidou a todos para a Festa de Volta às aulas q ocorrerá no Pepsi Club dia 20, com a atração do Delão Trio By Jack Daniel’s no lounge e mais presença de Duda Garbi do Pretinho Básico. LeoZ e todos os professores e alunos que representaram os cursos apresentaram-se com a chamada Sou Mais Anglo que foi trabalhada durante toda a campanha publicitária de vestibular.

Além dos clássicos votos de sucesso no semestre e a integração dos alunos com o jeito Anglo, ocorreu um flashmob, pegando de surpresa as pessoas que circulavam pela faculdade. Segue abaixo o vídeo com os melhores momentos dessa iniciativa inédita nas instituições de ensino da serra.

E muito sucesso para a professora @paulanora que assume a coordenação acadêmica neste semestre!!


Produtividade – Trabalho sem pedágio

Com um pouco de disciplina é possível evitar as pequenas interrupções que roubam seu tempo e atrasam a conclusão das tarefas

FONTE: blog.grupofoco.com.br


“Você já se planejou para concluir um trabalho no prazo, mas foi atropelado por reuniões inesperadas e e-mails urgentes do chefe? Geralmente a solução para esses casos é trabalhar até mais tarde ou adiar a entrega. Para calcular o efeito devastador que as interrupções têm sobre o fluxo de seu trabalho, imagine que você sofra duas interrupções a cada hora — um e-mail a ser respondido, um telefonema, uma pessoa que se aproxima da sua mesa para conversar ou um chamado do chefe, por exemplo.

Ao longo de uma jornada de oito horas, você terá sido interrompido 16 vezes. Imaginando que cada interrupção dure dez minutos em média, você terá parado suas atividades durante quase três horas. Os prejuízos não param por aí. Após uma interrupção, levamos em média 15 minutos para nos reconcentrarmos na tarefa anterior, mostram estudos de ciência cognitiva.

Com isso, nossa eficiência cai cerca de 40%. Resumindo: as interrupções também comprometem a produtividade. Para compensar esse quadro, o que a maioria das pessoas faz é sacrificar a qualidade de vida. No entanto, a medida mais eficaz seria limitar, tanto quanto possível, os obstáculos que nos fazem tirar o pé do acelerador no trabalho. Você pode começar a procurá-los na sua mesa.

Numa pesquisa feita com mais de 1 600 profissionais por VOCÊ S/A e pela consultoria Triad, especializada em gestão do tempo, 36% dos entrevistados admitiram que perdem tempo por causa da internet e 21% disseram se desconcentrar por causa de comunicadores online. Para o consultor Christian Barbosa, da Triad, o melhor é desligar os avisos de recebimento de novas mensagens e concentrar a leitura delas a um ou dois momentos do dia, como o início da manhã e à noite.

“E-mails não trazem problemas urgentes, que precisam ser respondidos de imediato. Se a questão for urgente, certamente você será acionado por telefone”, diz Christian. “Quanto ao MSN, tenha uma conta pessoal e uma corporativa. Na empresa, use só a corporativa, para não comprometer o tempo de trabalho com conversas pessoais.” Os chamados rotineiros da chefia também atrasam a conclusão de trabalhos em curso.

Para 36% dos pesquisados pela Triad, o gestor não sabe se planejar e 21% afirmam que o líder gera urgências para a equipe. Para conseguir atender sua chefia de forma eficiente, o gerente de operações de férias do Rio Quente Resorts, Édson Cândido Gonçalves, de 29 anos, precisou mudar sua forma de trabalhar. Quando assumiu o cargo, ele tinha dificuldade para conciliar as muitas reuniões das quais participa e a montagem das apresentações que tem que entregar regularmente com o atendimento ágil às solicitações feitas pela chefia.

“Eu trabalhava de 12 a 15 horas diariamente.” Édson percebeu que, além dos chamados da chefia, também era acionado pela equipe e por clientes. A saída foi treinar o time para que os colaboradores tivessem autonomia para resolver os próprios problemas e os dos clientes. Para isso, o gerente designou quatro líderes e criou um sistema em que, a cada semana, um deles é responsável por monitorar o trabalho dos subalternos e dar resposta aos problemas trazidos pelos colegas.

“Eles conseguem apagar os incêndios e dar um retorno mais rápido ao cliente sem a minha participação”, diz o executivo. Os líderes também passaram a colaborar para melhorar o fluxo das informações demandadas pela chefia de Édson. Eles foram treinados para fazer relatórios de suas atividades semanais, sistematizando os dados em tabelas e gráficos.

“Isso me permite responder de forma muito mais ágil quando meus superiores me solicitam um dado”, diz Édson. As reuniões inesperadas também são grandes vilãs do planejamento diário. Na rotina da diretora de mídia da agência DPZ, Adriana Favaro, de 40 anos, elas aparecem com frequência. “Muitas vezes elas surgem porque aquele é o único horário possível para reunir todas as pessoas envolvidas num projeto”, diz ela.

Para que esses compromissos não atrapalhem o cumprimento dos prazos, Adriana adotou duas estratégias. A primeira foi preparar a equipe para substituí-la em alguns eventos. “Isso melhorou o aproveitamento do tempo em 80%. Além de diminuir a minha sobrecarga, as pessoas ficam mais motivadas.” A segunda medida foi usar a tecnologia como aliada para ganhar tempo.

“Com a ajuda do iPad e do iPhone, registro e despacho tudo o que me for repassado durante a reunião”, diz. O consultor Sílvio Celestino, da Alliance Coaching, dá outra sugestão para reduzir o tempo gasto nas reuniões: “Sempre que possível, proponha teleconferências por Skype. Além de poupar o tempo de deslocamento, a tendência é que elas sejam mais objetivas”, diz.

As interrupções afetam a agenda pessoal. O jantar com a esposa, o lazer e a atenção aos filhos têm de ter, em sua agenda, o status de compromissos tão importantes quanto os profissionais.

Agilize seu dia
Saiba como reduzir os focos de desatenção que atrapalham a sua produtividade

Crie procedimentos-padrão – Evite interrupções rotineiras educando sua equipe a consultar respostas para problemas e perguntas frequentes em guias ou manuais.

Concentre as interrupções – Se você é interrompido diversas vezes para dar o aval a coisas simples, crie uma rotina com um ou dois momentos no dia em que avaliará várias questões de uma vez só.

Crie um código – Defina com a equipe um código para ser usado em fases de conclusão de projetos que sinalize que a pessoa só deve ser interrompida em caso de emergência. Vale colocar, por exemplo, um cartão vermelho sobre a mesa.

Revezem o telefone – Crie um acordo com os colegas pelo qual cada um fica responsável por responder aos telefonemas dos demais num intervalo diferente do dia. Se possível, retorne todas as ligações num mesmo período de tempo.

Ir é melhor do que receber – Ao agendar uma reunião dentro da empresa, proponha encontrar o colega na sala dele ou numa sala de reunião. É mais fácil levantar e dar fim à reunião.”

FONTE: VOCÊ S.A
http://vocesa.abril.com.br/desenvolva-sua-carreira/materia/carreira-produtividade-trabalho-pedagio-632694.shtml


Volta às Aulas ANGLO – SURPRESA?!?FlashMob?Sério?

Nós da Equipe Virtual @AngloCaxias estamos passando para desejar um ótimo semestre a todos e contar que, ouvimos boatos de que vai rolar um FLASH MOB de volta às aulas. Não querendo estragar a surpresa, é claro.


O que é FLASH MOB?

Mas o que é que está acontecendo?
Sabe quando você está andando pela rua e percebe que existem 10 pessoas olhando para o alto de um prédio? As pessoas são curiosas por natureza e diante deste fato certamente vão olhar para o alto do prédio também. Esta aglomeração de pessoas realizando uma determinada ação inusitada e previamente combinada é chamada de Flash Mob.
Historicamente estas mobilizações populares eram utilizadas como manifestações políticas como por exemplo a Revolução Francesa, onde o povo, para pressionar a monarquia francesa, tomou de assalto a fortaleza-prisão da Bastilha e invadiu o palácio das Tulherias fazendo a família real refém. Atualmente é utilizado para promover marcas, ideias, bandas ou ideais.
O Flash mob também é considerado uma das estratégias do marketing de guerrilha que assim como as outras, tem por objetivo surpreender e interagir com o público. Faz as pessoas ficarem perplexas diante da situação e se perguntando: O que é que está acontecendo? Em uma era digital, quantas pessoas pegarão seu celular para filmar o que estão vendo? Diante de um fato inusitado e diferente as pessoas certamente irão compartilhar tudo o que viram e filmaram.

Os Flash mobs mais conhecidos mundialmente são o Pillow Fight, onde as pessoas se encontram para promoverem uma legítima guerra de travesseiro e o Zombie Walk que são pessoas andando juntas, pelas ruas, caracterizadas de Zumbis.


Os Flash mobs mais comuns são os dançantes nos quais bailarinos entram aos poucos dentro de uma grande coreografia. O mais popular e que despertou o Flash mob para o mundo foi o Oprah Flash Mob Dance quando o grupo Black Eye Peace reuniu cerca de 21 mil fãs em Chicago para dançarem juntos uma determinada música. Consegue imaginar? Se você ainda não viu certamente ficará curioso.


Oprah Flash Mob Dance

Diariamente as pessoas são expostas a mais de 1500 mensagens e marcas. Por isso fica evidente a importância de ações envolventes e marcantes. É preciso colocar sua marca dentro do coração do consumidor. Use e abuse de ações diferentes. O flash mob está aí para isso.

Ricardo André Brisotto
Direção e Planejamento
Tonificante Marketing Estimulantes
@rbrisotto / @tonificante
http://www.facebook.com/tonificante
http://www.tonificante.com.br

Já imaginou um Flash Mob na Anglo?


#Anglo-Saude – Disfunção Temporomandibular

Entenda a Disfunção Temporomandibular:

Dr. Rafael Plein


As disfunções temporomandibulares são um grupo de patologias que acometem grande parte da população em geral e que apresentam sinais e sintomas bastante variados. A Fisioterapia é parte integrante das especialidades voltadas ao tratamento das disfunções da articulação temporomandibular (ATM).
Recentemente, os trabalhos realizados buscaram as causas das disfunções, relacionando perdas dentárias às alterações biomecânicas que traziam consigo repercussões sobre os côndilos da mandíbula e o disco articular. Em seguida chegou-se ao esclarecimento da forma como as alterações posturais da mandíbula interferiam na biomecânica normal da ATM, levando à sua disfunção.
Uma vez que nos consultórios dos fisioterapeutas são cada vez mais frequentes os casos de DTM, e tendo em vista o alto percentual na população que apresenta seus sinais e sintomas torna-se pertinente a realização de um estudo aprofundado dos seus fatores causais, evolução e tipos de tratamento, bem como o maior entendimento da funcionalidade desta peculiar articulação por parte dos profissionais da saúde.
As disfunções temporomandibulares (DTM), são definidas como um termo coletivo no qual estão inseridas diversas situações clínicas relacionadas à musculatura mastigatória, ATM e estruturas associadas.
Sua etiologia é considerada complexa e multifatorial, uma vez que pode envolver fatores de origem neuromuscular, psicológica e anatômica, apresentando sintomatologia variada que inclui cefaléia, otalgia (dor de ouvido), mialgia (dores musculares), artralgia (dores articulares), dor facial, dor retro-orbital, ruídos articulares, vertigens e movimentos mandibulares alterados.
Dentre os fatores etiológicos das DTM, é reservado especial destaque aos fatores oclusais, psicogênicos e posturais.
Muitos autores consideram o equilíbrio entre os músculos mastigatórios e os músculos craniocervicais posturais determinante da posição de repouso mandibular, justificando assim a influência das alterações posturais nas disfunções da ATM.
As alterações posturais exercem forte influência sobre o desenvolvimento e persistência das DTM, visto que desordens do segmento cervical alteram o posicionamento do crânio e, consequentemente da mandíbula, alterando a função articular.
A correta postura craniocervical deve permitir um perfeito balanço entre a coluna cervical, o osso hióide e o grupo dos músculos mandibulares. A perda nas relações de normalidade entre a postura corporal e a posição de repouso mandibular altera a dinâmica da ATM, diminuindo a capacidade de adaptação fisiológica e servindo como fator de desenvolvimento das disfunções temporomandibulares.
As formas de tratamento relacionados à disfunção temporomandibular incluem técnicas de condicionamento articular, que visam o ganho ou manutenção da amplitude de movimento articular. Desse modo, a ATM realiza suas atividades funcionas sem que seja submetida ao excesso de pressão, reduzindo assim a probabilidade de processos degenerativos (“desgaste”) articulares.
Ainda temos que ressaltar a importância do condicionamento muscular dos grupos musculares que envolvem a articulação temporomandibular, bem como dos músculos que envolvem a cintura escapular e coluna cervical, realizados pelo fisioterapeuta.

Dr. Rafael Francis Plein
Especialista em Fisioterapia Ortopédica e Traumatológica;
Especialista em Cinesiologia;
Especialista em Fisioterapia Desportiva;
Fisioterapia nas Disfunções Temporomandibulares;
Método Pilates.
Clinifort: (54) 30277488
clinifort.fisioterapia@hotmail.com Facebook-Clinifort