Faculdade Anglo Americano | Caxias do Sul

Arquivo para julho, 2011

Graduação em Gestão Hospitalar

O curso superior de Tecnologia em Gestão Hospitalar visa fornecer uma sólida formação aos Gestores, com uma visão geral da dimensão conjuntural dos serviços de saúde e específica nos diversos departamentos das unidades de pequeno, médio e grande porte, capacitando teórico e tecnicamente pessoas para o exercício e desempenho de atividades específicas da gestão hospitalar, com a finalidade de se obter resultados positivos e empreendedores no âmbito da assistência social, econômica financeira e na qualidade ao atendimento dos usuários dos serviços de saúde.
Fornecer instrumentais teóricas, técnicas e metodológicas a futuros tecnólogos em gestão hospitalar;
Qualificar profissionais que já atuam no mercado para contribuir no atendimento com qualidade nas organizações de saúde;
Formar tecnólogos capacitados ao exercício de funções técnico-operacionais às diversas unidades operacionais das unidades de saúde;
Capacitar pessoas com habilidades em novas modalidades de gestão que implicam em aplicar estratégias em sistemas de informações, controles, planejamentos estratégicos, organização de recursos humanos;
Impulsionar novos mecanismos e instrumentos de tecnologia em gestão hospitalar; e;
Apresentar novas metodologias e diferentes modelos de melhoria da qualidade de atenção em saúde, colocando em ação programas de melhoria da qualidade e gestão de usuários do sistema de saúde.

“O profissional que atua nesta área deve ter competências e habilidades necessárias para gerenciar processos seguros e comprometidos com a Segurança dos Clientes externos e internos.
Deve estar focado para atender os desafios das organizações melhorando continuamente os processos e consequentemente os resultados.Uma de suas metas deve ser agregar, desenvolver, manter e monitorar as pessoas da organização.O Gestor Hospitalar deve ser empreendedor, ter conhecimento técnico-científico para analisar criticamente as situações e apresentar soluções buscando constantemente a atualização e a otimização dos processos, pois toda instituição hospitalar busca melhoria continua de sua gestão de tal forma que consiga uma integração das áreas médica, assistencial, tecnológica, administrativa e econômica.”

Angelita Alves De Cesaro
Gerente Assistencial
Hospital Saúde

Anúncios

Pesquisa de satisfação. Uma falácia ou uma ferramenta eficaz.

Eduardo Pezzi

Nas empresas, principalmente as áreas comerciais e de marketing adoram fazer pesquisas de satisfação. Mas até quanto essa pesquisa “mensura” uma realidade? Ou até quanto o indivíduo pesquisado tem consciência da sua resposta?
Oliver (1997, p.13) define satisfação como a “resposta ao contentamento do consumidor, o julgamento de que uma característica do produto ou serviço, ou o produto ou serviço em si, ofereceu (ou está oferecendo) um nível prazeroso de contentamento relativo ao consumo, incluindo níveis maiores ou menores de contentamento”. De maneira geral, satisfação é o julgamento formado durante o uso ou consumo de produto ou serviço de determinado fornecedor, ou depois dele; portanto constitui uma reação ou sentimento em relação a uma expectativa x experiência (Solomon, 1999). Essas definições ressaltam tanto aspectos cognitivos quanto emocionais da satisfação, que se constitui num sentimento que surge como resultado da avaliação subjetiva de que a alternativa escolhida atende ou excede as expectativas (Bloemer e Kasper, 1995).
Nota-se que na literatura a satisfação está sempre vinculada ao emocional (expectativa x experiência). Também pesquisas apontam que mais de 80% das compras são emocionais, e por isso difícil de entender o “Porquê” da ação de comprar, do produto escolhido, marca, etc… Isto sempre será subjetivo, e como toda a subjetividade, muito difícil de mensurar. Se satisfação é subjetiva e consequentemente difícil de mensurar, quanto vale uma pesquisa desse gênero?
Acredito que o problema não seja só a pesquisa em sí, mas no que ocorre muito antes dela. A segmentação no marketing. A segmentação é uma forma de “enquadrar” em diversos aspectos os clientes em potencial com maiores chances de gostarem dos nossos produtos/serviços. Mas quando fazemos isso esquecemos que as pessoas não se comportam da mesma maneira por ser de uma determinada classe social, ou determinada cultura, grupo social, etc…. é muito mais complexo que isso.
Para Bourdieu (1983) o sistema de comportamento e pensamento que exprimem, sob a forma de preferencias sistemáticas, as necessidades objetivas das quais ele é produto chama-se habitus. O habitus orienta a ação, mas como é produto das relações sociais ele assegura a perpetuação destas condições que o criaram. É uma ação propulsora de esquemas de percepção e de apropriação construídos socialmente, demostrando que o sujeito é produto de uma ampla gama de variáveis. Neste existem 2 apropriações, as quais aparecem no comportamento de compra e que não podem ser esquecidas na hora de tentar “mensurar” a satisfação. São elas, a apropriação material e simbólica, que dependem das condições econômicas e sociais do indivíduo e nestas as representações simbólicas de tais posições.
Bourdieu (1983) fala sobre o “Estilo de vida” que é a forma como as pessoas ou grupos vivenciam a realidade e consequentemente fazem suas escolhas, ou seja, tais esquemas geradores de status são inseparáveis destas condições éticas e estéticas, havendo uma relação entre cultura como produção simbólica e a cultura vivida na prática. Sendo assim, uma pessoa formada em engenharia, mas que acaba trabalhando na área de comércio exterior, terá comportamento conforme sua formação ou seu estilo de vida?
Portanto o consumo depende dos bens materiais e simbólicos expressos pelo estilo de vida, este, muito difícil de compreender.
Se não se compreende o estilo de vida nem o gosto das classes que se formam, pela subjetividade e pelo grande valor simbólico expresso na hora da compra, como entender o que o sujeito quer, gosta, espera e por consequência, o que o satisfez e mais difícil o quanto o satisfez.

Pesquisa de satisfação na prática, alguns questionamentos.

• Um cliente que está tendo contato pela primeira vez com a marca tem o mesmo critério de satisfação de quem já é cliente habitual?
• Um cliente que teve 5 experiências positivas e 1 negativa, bem no dia da pesquisa é um cliente insatisfeito?
• Como mensurar satisfação, bom? Muito bom? Ruim? Por ser subjetivo o “bom” pode ter valor diferente para indivíduos que são diferentes. Isso é como tentar mensurar tempo, um serviço é rápido ou lento? Qual o critério que está em jogo, o que é rápido? Outra analogia podemos fazer com a distância? 50km é longe ou é perto? Não depende de diversos fatores?
• Uma pessoa que já é habitue em um determinado serviço, ex: lojas de roupa, vai com uma expectativa referente ao serviço prestado pela loja anterior, pelo seu habitus e pela expectativa criada pela propaganda que constrói uma imagem que podemos chamar de imaginário. Como entender esses 3 fatores para não ter na mesma pesquisa pessoas com diferentes critérios?
O que este texto se propõe é levantar alguns questionamentos sobre pesquisar a satisfação, embora uma prática comum no universo das empresas, guarda uma grande carga de subjetividade e as vezes imprecisão, por isso, quem, quando, como e a forma de como é perguntado tem grande influência na resposta e consequentemente mas estratégias e ações de melhorias baseadas nessa ferramenta. A falta de conhecimento sobre o indivíduo, seus gostos de classe e estilos de vida, experiências anteriores e como o imaginário está construído na sua mente exigem que a pesquisa de satisfação seja feita por profissionais com amplo conhecimento em marketing e em pessoas, além de todas as estratégias da empresa estarem baseadas em um planejamento de marketing estruturado e bem feito.
Se uma empresa não tem um planejamento te marketing, ela não terá uma pesquisa de satisfação ou quaisquer ação de mercado efetiva.

Contatos:
site e blog: http://www.edupezzi.com.br
skype: edupezzi
msn: e_pezzi@hotmail.com
e-mail: eduardo@edupezzi.com.br
twitter: @edupezzi
Facebook: Eduardo Pezzi


Técnicas de Visão Fotográfica


Técnicas de Visão Fotográfica

Professor(a): Miriam Cardoso de Souza.
Objetivos
Ensinar pessoas que desejam aprimorar seu olhar fotográfico ,pois existem na fotografia situações básicas ,tais como ,retrato ,paisagens ,close dentre outras , que merecem dicas para melhorar as imagens que são feitas diariamente. Despertar nos participantes a alegria de ver o mundo através das lentes e com outra perspectiva e outro enquadramento. Começando a caminhada pelo universo da fotografia, com aulas em campo e troca de idéias sobre a arte de fotografar.
Conteúdo Programático
Noção da fotografia como arte;

Foco,enquadramento e composição;

Retratos,close e noção de macro;

Fotografia em PB e a cores;

Conhecendo seu equipamento;

Dicas de equipamentos;

Aulas práticas (em campo);

Linguagem fotográfica;

Identificando a melhor luz para fotografar.

Observação: trazer máquina digital básica.
Certificado
Ao final do curso, será emitido um certificado de conclusão para alunos que tiverem cursado 75% das aulas ministradas.
Carga Horária: 12 horas/aula.

Datas: 23 e 30/07.

Horários: Sábado – Manhã (08h às 12h) e Tarde (13h30 às 17h).

Valor: R$ 25,00.


Dia do Amigo – #AmigoAnglo – 20 de Julho

“Meus amigos são meus bens.” Emily Dickinson

“Leva-se muito tempo para se ter um velho amigo.” John Leonard

“I get by with a little help from my friends…” John Lennon

Penso que a principal valia do dia do amigo é a de proporcionar a todos nós um momento de reflexão acerca dos amigos que temos. Não falo isso pessimistamente, por favor, não me entenda mal, até porque espero que muitos de meus amigos leiam estas linhas soltas por aqui. Falo, sim, com um tanto de resignação, pensando que ter amigos e, principalmente, ser amigo, é um exercício tão ardo e ironicamente a ele é dedicado apenas um dia por ano, pelo menos oficialmente… E aqui seria aquele ponto em que eu escreveria que dia do amigo deveria ser todos os dias, que amigos são a parte mais importante de nossas vidas, que sem eles não somos nada e blá, blá, blá. Ora, convenhamos, neste mundo cão em que vivemos e com o tempo cada vez mais escasso, a quem queremos enganar? Ter amigos é um luxo e um privilégio a poucos abnegados que se dedicam à arte de cultivar pessoas e não somente lucro e holofotes.
Amigo é muito mais que seu contato no MSN ou aquele rostinho pequeno que aparece vez por outra na sua timeline do Twitter dizendo algo levemente engraçado. Não se empilha amigos, nem se conta eletronicamente quantos temos. Amigo não é número nem lista.
Antes de qualquer coisa, amigo é quem te entende e te ampara; amigo não vê duplo sentido em suas declarações nem se omite de tirar satisfações com você. Aliás, muitos amigos são feitos nos momentos em que você não está raciocinando direito e precisa de alguém que diga isso claramente a você, que não se omita desta verdade. A máxima de que conhecemos nossos amigos em situações limítrofes soa cada vez mais verdadeira, já que a impressão que temos em certos momentos é de que vivemos estas situações com dada frequência. A velocidade do cotidiano nos afastou das pessoas – conversamos com elas cada vez menos – porém selecionou nosso grupo de amigos. É quase como um Darwinismo fraternal, uma seleção natural da espécie AMIGO. Neste caso, as relações mais fortes sobrevivem e as enfraquecidas pelo tempo ficam pelo caminho. Serão lembradas, no entanto sempre conjugadas no passado.
Em parte, ser um bom amigo é manter-se em contato, reportar-se. O que seu amigo quer é saber de você, partilhar suas experiências com você – sejam agradáveis ou não, sentir-se parte de sua vida. Bons amigos somam. Bons amigos pensam ser importante serem vistos e lembrados. Você deveria pensar o mesmo. Bons amigos nunca chegam na hora errada em sua casa, nem atrapalham o andar do seu dia. Aos bons amigos não há tempo ruim, nem lugar ruim, muito menos ambiente ruim. Ser amigo basta. Ter amigos, também.
Bons amigos o são. Simples assim.

Ricardo Martini
Professor de Inglês
@RicaMartini


OXI – Um futuro previsível

De R$8,00, passou para R$2,00. O que achávamos impossível, agora existe: uma droga mais devastadora que o crack… O Oxi.

Mapa da Droga


Não é de hoje, o Oxi surgiu no Brasil quando entrou pelo Acre, vinda da Bolívia e Peru, na década de 1980. Essa nova droga provoca o dobro da euforia provocada pela cocaína. É o que todo usuário de drogas quer e necessita.
Por ser mais barata e mais viciante devido à sua composição (mistura de derivados de petróleo, cal, permanganato de potássio e solução líquida usada em bateria de carro), os usuários do crack aderiram a essa nova “onda” que vem se espalhando pelo Brasil desde o início de 2011. Muitas vezes, sem querer. Ela é muito parecida com o crack, e os ‘boqueiros’ vendem o oxi como se fosse crack. A diferença entre as duas está na fumaça, que no caso do crack é mais branca, ou pelos resíduos: o crack deixa cinzas, enquanto o oxi libera uma substância oleosa. O Oxi, por ser mais forte, é também causador de mais danos ao organismo. O que achávamos que seria impossível, hoje é realidade.

Pedra de Oxi

O agente penitenciário André, de 34 anos, morador de Rio Branco, no Acre, conhece bem os efeitos do oxi. “Quem usa chama de veneno”, diz. Como todo veneno, é traiçoeiro. André descreve o gosto da fumaça como algo “gostoso”. “Pega mais, dá uma viagem.” Não demora e surgem os efeitos adversos – dor de cabeça, vômitos e diarréias. E paranóia. André diz que ouvia vozes. “Era o demônio falando no meu ouvido.” Os efeitos também são físicos. “Via muitos usuários sujos de vômito e diarréia.” Mesmo assim, André não conseguia abandonar o uso. Vendeu o que tinha para comprar pedras. “Pedia aos boqueiros (quem trabalha nas bocas de fumo) que passassem na minha casa e pegassem tudo.” Geladeira, fogão, DVD, um a um, todos os móveis e eletrodomésticos foram trocados por pedras brancas. “Só não troquei a vida”, diz André, que está internado numa clínica ligada a uma ONG em Rio Branco. Ele afirma que só buscou tratamento porque, desempregado, não tinha mais dinheiro para abastecer o vício.

No primeiro momento, o oxi era usado pelas classes sociais mais baixas e por místicos que iam ao Acre atrás da Ayahuasca (chá alucinógeno usado em cerimônias do Santo Daime). Hoje, por ter chegado à capital Rio Branco, é consumida por todas as classes sociais.

Sintomas do Oxi


O estudo incompleto da nova droga sugere que, pela facilidade com que é produzido, o oxi pode subverter a lógica usual do tráfico. Não há um fornecedor fixo que distribui um só produto. A droga é produzida em casa, de forma primitiva e artesanal. Uma nova organização do tráfico poderia exigir uma mudança na forma de repressão policial. Para combater o oxi, não temos de caçar apenas grandes traficantes, precisaremos de uma polícia ativa, que atue diretamente nos pontos urbanos.
Também é preciso que o serviço de saúde tenha exata noção das substâncias que compõem o oxi, a fim de entender seus efeitos e propor tratamento adequado. Por enquanto, faltam estudos laboratoriais que atestem a composição da substância.

O Brasil suspeita, mas não tem certeza do que é feito o oxi. Saber é o primeiro passo de uma longa batalha contra a nova droga.

Escrito por: Rafaela Baldissera
twitter: @rafabaldi


#Extensão – Legislação e Cálculos Trabalhistas – Rescisão de Contrato (Direitos e Cálculos)


Legislação e Cálculos Trabalhistas – Rescisão de Contrato (Direitos e Cálculos)

Professor(a): Dr. Adão Araújo Junior e Paulo Velasco.
Conteúdo Programático
Legislação Trabalhista, com ênfase em cálculos de folhas de pagamento, 13º salário, férias, horas extras, rescisões de contrato e outros adicionais.

Obs: As aulas visa fornecer ao participante uma seqüência do primeiro Curso de Legislação Trabalhista Aplicada às Rotinas de Departamento Pessoal, abordando através dos exercícios e simulações de rotinas de Dept. Pessoal.
Certificado
Será emitido certificado de conclusão para os participantes que tiverem cursado 75% das aulas ministradas.
Carga Horária: 24 horas/aula.

Datas: 18, 19, 20, 21, 22, 23, e 25/07.

Horários: Segunda à sexta – Noite (19h às 22h30); Sábados – Manhã (09h às 12h).

Valor: R$ 70,00.

A Faculdade Anglo-Americano reserva-se o direito de reprogramar o curso, caso o número de participantes não seja suficiente.


#CarinhodeVerdade

Seja contra a exploração sexual infantil! Saia da inércia, denuncie!


#EuSouMaisAnglo


Dia Mundial do Rock – 13 de Julho


O dia 13 de Julho passa despercebido para a maioria das pessoas do globo. Para elas, 13 de Julho é apenas mais um dia a ser vencido, lutado. Há, porém, um grupo fiel de amantes da boa música que no 13 de Julho extravasa, liberta-se e organiza-se como nenhum outro. 13 de Julho é aniversário do bom e velho Rock and Roll, e centenas de milhares de pessoas ao redor do planeta se reúnem para soprar mais uma velinha.
Os distraídos, aqueles mesmos que passarão o 13 de Julho pensando ser este um dia comum, não perceberão que o Rock ‘n Roll está bem a sua frente. Sabe aquela consulta chata ao dentista que ninguém em sã consciência gostaria de fazer? Pois é. Seu dentista, amigão, por baixo do jaleco, está usando uma camiseta de sua banda preferida. E sem culpa, porque hoje é dia do Rock! O atendente da banca de jornais na esquina de sua casa parece um pouco estranho hoje? Diferente? É porque ele soltou os cabelos e hoje não tem vergonha de dizer que é fã de Rock!
As rádios que se prezem também farão programação especial em sua comemoração, basta sintonizá-las. Até o elevador usado todos os dias para chegar ao trabalho estará tocando o famigerado Rock and Roll, basta prestar atenção.
A verdade é que o Rock é o mais democrático dos estilos musicais já que dele vieram tantos outros. Não importa qual seja sua vertente preferida, há sempre espaço para o diálogo musical. Além disso, o Rock nasceu dos pobres, dos excluídos. Ele veio do blues americano, aquele tocado pelos filhos de escravos em tom de lamento e versando acerca das mazelas vividas por um povo oprimido até em suas predileções rítmicas. O RnR vem dos pântanos da Luisiana e das plantações de algodão do Alabama, lugares paupérrimos, porém de muita força espiritual.
Tai! O Rock and Roll, no fim das contas, tem a ver com força de espírito. É um estado de espírito. É a própria representação artística de uma vontade de ser livre e extravasar. Quem não iria querer um pouco disso em sua vida, não é mesmo?
Feliz dia do Rock a todos os headbangers do planeta!
And it’s only Rock and Roll, but I like it…

Ricardo Martini
Professor de Inglês
@RicaMartini


Intervalo ATLÂNTIDA – Colégio São José

Sucesso!!!

No último dia 11/07 tivemos o intervalo Atlântida no Colégio São José com a presença do comunicadores da Atlântida Rodrigo Reis e Mica de Avilla, show com Constelação e a presença VIP do Garoto Propaganda da Anglo o DJ Leoz além da Blitz de Vestibular com distribuição de brindes e brincadeiras.

Curte o Video aiiiii!!!


Curso de #Extensão -Discurso e Oratória – A Arte de Falar em Público


Prezado(a) Aluno(a).

Discurso e Oratória – A Arte de Falar em Público

Professor(a): Saulo Rodrigo Bastos Velasco.
Objetivos
Qualificar pessoas que interagem com o público, através de exemplos históricos/antológicos, com a utilização de exercícios práticos, teoria e metodologia desenvolvida para a prática discursiva.

Despertar em cada participante o desejo e o prazer de se comunicar bem, usando esta habilidade como um diferencial competitivo. Proporcionar informações que possibilitem uma melhor administração e superação de seus temores, melhorando o posicionamento diante do público.

Desenvolver a coordenação gestual.

Dicas para melhor utilização de recursos audiovisuais.
Conteúdo Programático
História da oratória;
Comunicação;
Enfrente o medo de falar em público;
Educando a voz;
Respiração – A base da voz;
Gestos: Complemento da expressão verbal;
Como responder perguntas da platéia;
Como quebrar a apatia da platéia;
A organização da palestra;
O uso de aparelhos e equipamentos.
Certificado
Será emitido certificado de conclusão para os participantes que tiverem cursado 75% das aulas ministradas.
Carga Horária: 12 horas de aulas práticas e teóricas.

Datas: 09 e 16/07.

Horários: Manhã (08h30min às 12h) e Tarde (13h30 às 17h30).

Os Dois primeiros comentários ganham uma vaga no curso!! Não perde!!


Ecobag da Anglo + Convite para o Pepsi

Olha que barbada…. Você da RT na mensagem da @anglocaxias no twitter e deixa teu comentário aqui junto com seu mail e pronto!!! Já Ganhou Ecobag da Anglo com Convite para pepsi, atrações: DJ Tony Hopkins e Delão Trio by Jack Daniel’s. Corre logo!! São só 10 convites!!!!


#SouAnglo – O Espaço de Nossos Alunos

Hoje inauguramos um espaço onde o nosso aluno poderá divulgar suas produções bibliográficas, e para a estréia segue um trabalho do Curso de Pedagogia:

As estudantes da disciplina Introdução aos Estudos da Educação do Curso de Pedagogia lecionada pela professora Fabíola Ponzoni Balzan responderam, como uma das atividades da disciplina durante o semestre, a um case. A tarefa previa que as alunas assumissem o papel de gestoras de uma empresa de assessoria pedagógica. Portanto, a pedido de um grupo de pais, elas deveriam escrever um parecer para um site educacional o qual seria postado num link intitulado “Para Pais”. A análise se refere ao desenho animado da famosa série Princesas do Mar veiculado pelo canal Discovery Kids (www.discoverykidsbrasil.com.br) cuja programação destina-se apenas ao público infantil e está no ar 24 horas por dia. Confira abaixo as respostas das alunas.

Texto das estudantes Letícia Isoton e Mabília Dolvina Vieira Borges.

Como o nome já anuncia, Princesas do Mar, passa-se num reino encantado chamado Mundo da Salácia. O episódio “O novo professor” nos mostra aspectos positivos e negativos em uma sala de aula, possibilitando interpretações variadas. Mas como você nos solicitou uma ajuda para olhar, vamos lá! Como vocês viram o professor tem uma postura inflexível, não tolerando algumas insistências dos alunos. O que vocês pensam sobre isso? E sobre a sala de aula? Podemos dizer que a sala estava disposta fisicamente no modelo tradicional (um aluno atrás do outro, dificultando o diálogo; o professor se mantinha em sua mesa enquanto os alunos, em silêncio, realizavam a atividade). Você não acha que o professor deveria agir diferente, circulando pela sala, auxiliando nas tarefas e dúvidas? No episódio são destacadas a amizade e a ajuda mútua entre as meninas princesas. Fique ligado em nosso site e participe enviando sua pergunta!

Texto das alunas Daiana Thaís Palhano, Karen Pereira e Cláudia Renata Lain.

A série Princesas do Mar mostra situações onde animais vivem como humanos. Como exemplo, podemos citar o episódio Princesas do Mar veiculado pelo canal Discovery Kids. A história se passa na escola, no dia em que chega o professor substituto. Você não achou a escola muito tradicional na qual não tem integração? O novo professor é autoritário e não deixa as crianças se manifestarem. O que você, como pai, pensa sobre isso? Outro ponto que podemos observar no desenho animado é o comportamento dos alunos dentro e fora da escola. Na escola, tal comportamento é extremamente regrado. Já fora dela é bem mais espontâneo. Pensem sobre isso e acessem nosso site.

Texto das alunas Tailine Balardin, Lumma de Melo Costa e Micheli Porn.

No desenho “Princesas do Mar” no episódio “O novo professor” acontecem situações do dia a dia escolar. Esse episódio mostrou um professor tradicional, pouco flexível e sem abertura para questionamentos. Demonstrava ser autoritário, aplicava sempre atividades individuais sem a devida mediação didática-pedagóogica. Você prestou atenção em como os alunos estão dispostos dentro da sala de aula? Percebeu que não há interação entre os estudantes? Qual sua opinião sobre o espaço da sala de aula? E da roupa do professor (terno e gravata)?As “crianças” (peixes) que aparecem no desenho animado possuem características humanas e não humanas (animais). Qual é sua opinião sobre isso? Um ser humano vivendo embaixo da água? Nesse episódio, o professor rotula uma das crianças (peixe). Qual sua opinião sobre isso? Os programas de televisão deveriam se assistidos não somente pelas crianças, mas também pelos seus pais e professores para que os adultos pudessem ver o que seus filhos veem. Assistir com outros olhos! Assim, os pais podem verificar a relação programa-idade e o que está sendo ensinado num, aparentemente, inquestionável desenho animado para o público infantil.

Você que gostou, comente, deixe a sua opinião este espaço foi feito para você!!!!